Pesquisar este blog

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

UM OLHAR SOBRE A JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE DE MADRID



Eu recebi a graça de poder participar da Jornada Mundial da Juventude – JMJ,  que aconteceu em Madrid neste ano de 16 a 21 de agosto.

Fui com muitas expectativas para viver estes dias, no desejo de observar e sentir a vida da juventude católica espalhada em tantos lugares, culturas e línguas diferentes.
Muitas coisas me chamaram a atenção e desejo compartilhá-las com você que parou para ler este texto, sem nenhuma pretensão de fazer uma reflexão teológica elaborada. Vamos falar de experiências e sentimentos, impressões e aprendizados...

A primeira coisa que me chamou a atenção foi a alegria e a cordialidade dos jovens. Mesmo sem sabermos a língua ou o nome, os gestos de gentileza, da alegria, o clima e o tratamento fraternos eram muito presentes na grande maioria dos participantes. Experimentei como realmente é universal o desejo de fraternidade e de diálogo entre todos nós, serem humanos que habitam este planeta.

Uma outra coisa que me chamou a atenção foi a sede de Deus, o desejo de experimentá-lo durante a jornada. Isto era claro nas celebrações, catequeses, via-sacra e na vigília com o Papa. A atitude de silêncio orante, mesmo sendo uma multidão de milhões, a atenção as palavras do Papa, mesmo não sendo na língua própria do cada povo, o canto e a dança como expressões de uma juventude alegre por seguir a Cristo, isto tudo revelaram-me como os jovens tem desejo por Deus que pode preencher suas vidas de sentido em plenitude.

Conversei com outros jovens, brasileiro ou não, e escutei histórias interessantes sobre santidade, palavra de Deus, celebração da Eucaristia, confissão, diferenças culturais e religiosas... Foram diálogos enriquecedores! Destaco uma das conversas na qual um jovem brasileiro compartilhava comigo uma descoberta que fez sobre a idéia de santidade. No seu alojamento estavam mais de 600 jovens de vários lugares diferentes, com línguas diferentes e costumes diferentes. Ele me dizia que observou vários jovens europeus que fumavam e se vestiam de modo que alguns de nós por aqui estranharíamos, mas ele observou que esses mesmos jovens começavam e terminavam o dia rezando juntos com fervor e devoção, liam a Bíblia durante o dia numa atitude bonita de fé e busca de seguir Jesus. Esse jovem, então, me disse o que descobriu: apesar do vestir diferente ou do mau hábito do cigarro (que é realmente um mau hábito, pois prejudica a saúde) esses jovens estavam fazendo um caminho de santidade verdadeiro e que não podemos reduzir o caminho de santificação e um simples conjunto de costumes, mas é preciso olhar o projeto fundamental de Deus. Ele descobriu algo que o ensinou a buscar melhor a santidade e a respeitar o caminho dos seus irmãos... Descobriu que não há um só modelo de santidade, mas só um caminho que é o seguimento de Jesus.

Outra coisa que me chamou a atenção foi o desejo dos jovens em ver e ouvir o Papa. Era perceptível como, para a grande maioria, era importante vê-lo e ouvi-lo. Como se buscassem respostas, referências, dentro de um mundo tão cheio de incertezas e dúvidas. Os jovens queriam ouvir uma palavra que os ajudasse a viver sua juventude cristã nos tempos de hoje e o Papa dirigiu várias palavras aos jovens. Suas palavras foram ouvidas com atenção, mas o desafio é muito grande para se ter respostas profundas em um momento como este. Entretanto, o Papa encorajou os jovens a viverem sua fé, convidou-os a cultivarem a civilização do amor projetando um futuro novo para o nosso mundo.

Mais do que os discursos, a vivência comunitária e as partilhas de vida nos diversos momentos da jornada foram, para mim, o ponto mais enriquecedor e iluminador desses dias. Os discursos estão publicados e os lerei com calma para ver melhor qual a mensagem que o Papa trouxe à juventude do mundo nesses dias.
Agora, ainda neste momento, estou a colher os frutos desses dias, ainda meditando em tudo o que vi, ouvi e toquei... Nos sinais do amor de Deus que pude experimentar. E já estou sonhando com a próxima jornada que será em nosso Brasil, no desejo que ela seja tão bela, significativa e rica de espiritualidade como foi a de Madrid.

Realmente só sabe o que é a JMJ que participou dela...

domingo, 14 de agosto de 2011

Com a mochila pronta: Jornada Mundial da Juventude

Olá amigos e amigas!

Estou postando apenas um pequeno comunicado: estarei nos próximos dias participando da Jornada Mundial da Juventude, em Madrid, Espanha. Ficarei com um grupo de nossa diocese por lá até o dia 26, então, provavelmente, não postarei nada no blog.
Entretanto, se eu tiver oportunidade e acesso a net, tentarei fazer breves postagens relatando da experiência da Jornada. Vamos ver o que vai acontecer...

De qualquer modo, deixo meu abraço e espero nos reencontrarmos em breve.

Até breve! (ou será "hasta la vista" ??)

Pe. Augusto Lívio.

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Dia Internacional da Juventude - 12 de agosto


Mensagem do Secretário-Geral da ONU, Ban Ki-moon, para o Dia Internacional da Juventude.
“Mudar nosso Mundo” é mais do que o tema do Dia Internacional da Juventude deste ano, é uma inspiração para todos os jovens em todos os momentos.
Muitos dos mais de um bilhão de jovens do mundo não têm a educação, a liberdade e as oportunidades que merecem. No entanto, apesar dessas limitações – e, em alguns casos, por causa delas – jovens estão se mobilizando em grande número para construir um futuro melhor. Ao longo do último ano, eles conquistaram resultados impressionantes, derrubando ditaduras e enviando ondas de esperança entre as regiões e ao redor do mundo.
Os jovens são dotados de mentes abertas e uma percepção aguçada das tendências emergentes, e estão levando suas energias, ideias e coragem para alguns dos mais complexos e importantes desafios enfrentados pela família humana. Eles frequentemente entendem melhor do que as gerações mais velhas que as diferenças religiosas e culturais podem ser superadas para alcançar nossos objetivos compartilhados. Eles estão se levantando pelos direitos das pessoas oprimidas, inclusive daqueles que sofrem com a discriminação baseada em gênero, raça e orientação sexual. Eles estão enfrentando questões sensíveis a fim de parar a propagação do HIV. E eles são muitas vezes os principais defensores da sustentabilidade e dos estilos de vida verde.
A comunidade internacional deve continuar trabalhando em conjunto para expandir as oportunidades para estes jovens homens e mulheres, e responder às suas demandas legítimas por dignidade, desenvolvimento e trabalho decente. Deixar de investir em nossa juventude é uma falsa economia. Investimentos em jovens pagarão grandes dividendos em um futuro melhor para todos.
Este Dia marca o fim do Ano Internacional da Juventude, um marco na advocacia global pelo e para os jovens do mundo. Minha esperança é de que esta experiência possa agora fornecer um fundamento para aprofundar ainda mais o aproveitamento do talento e da energia dos jovens. Para eles eu digo: vocês têm a oportunidade de mudar o mundo. Aproveitem-na.
FONTE: 
http://unicrio.org.br/dia-internacional-da-juventude-%E2%80%93-12-de-agosto-de-2011/