Pesquisar este blog

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

O Fiasco das Paralimpíadas

Ontem (18/09/2016), terminaram os #jogosparalímpicos. Um grande evento internacional sediado por nosso país. Uma pena que foi um fiasco!

Ao afirmar isso, não me refiro à organização do evento, a estrutura ou ao desempenho dos atletas brasileiros, que foram de dar orgulho a todos nós! Refiro-me ao tipo de cobertura dada pelos canais de comunicação abertos. Os canais abertos detentores dos direitos de transmissão das #Olimpíadas (e suponho que talvez tenha também das #Paralimíadas) se limitaram a fazer matérias nos programas esportivos e nos telejornais, e a fazer flash’s quando algum atleta paraolímpico brasileiro conquistava alguma medalha. Até mesmo os eventos de abertura e encerramento não foram transmitidos, mas apenas os melhores momentos em um horário bastante acessível: depois das 23h. Uma vergonha!

Somente as pessoas que tem acesso a tv paga por assinatura pode acompanhar melhor as #paralimpíadas. A grande maioria dos brasileiros que só tem acesso a tv aberta ficou excluído de acompanhar de perto o evento com a mesma qualidade que foi dada para as #olimpíadas.

Não sei qual a razão deste tratamento tão diferenciado. Realmente me questiono: seriam os custos de transmissão que não compensariam nem dariam um retorno suficiente? Seria o desinteresse de patrocinadores que diminuiriam o retorno financeiro das transmissões tornando-as inviáveis economicamente? Seria uma mentalidade de que as #paralimpíadas seria um evento de “segunda classe” em relação as #olimpíadas e, por isso, não mereceria uma atenção similiar as #olimpíadas? Muitas questões passam pelas cabeças de muitos brasileiros e brasileiras.

O mais triste é ver que se perdeu uma oportunidade de promover a dignidade da pessoa com deficiência. Perdeu-se a oportunidade de levar a grande maioria dos brasileiros um olhar diferenciado sobre a realidade da pessoa com deficiência. Mostrar como o esporte pode ajudar a pessoa com deficiência a ter qualidade de vida, melhorar sua autoestima e ser uma pessoa que, apesar de possuir limitações, pode ter uma vida ativa e feliz, alcançando todo seu potencial. Também ser uma forma de denúncia que mostra como muitas pessoas com deficiência não conseguem ter uma vida digna e integrada na sociedade porque a sociedade mesma não lhes dá condições para isso, por exemplo, por meio de estruturas com acessibilidade, por meio de educadores qualificados nas escolas para trabalhar com pessoas em diferentes condições de limitação, por meio de espaços culturais e esportivos adaptados as suas condições para que eles possam expressar toda sua criatividade e compartilhar com toda sociedade a beleza da sua arte etc.


Ontem terminaram os #jogosparalímpicos. Um grande evento internacional sediado por nosso país, mas que não passou de uma nota de rodapé das #olimpíadas em nossos meios de comunicação abertos. Uma vergonha!

Nenhum comentário:

Postar um comentário